O Cavalo


O cavalo foi trazido para o sul da América pelo Adelantado espanhol Dom Pedro de Mendonza, quando da função da primeira Buenos Aires. Tomado pelos Índios em combate, espalhou-se pelo pampa perdendo suas características andaluzas originais e se tornando rústico e forte.

É o cavalo crioulo, hoje famoso internacionalmente. A cavalo, gaúchos e “gauchos” fizeram pátria e desenharam fronteiras. Pode-se dizer que o próprio mapa do Rio Grande tem a forma de um casco de cavalo. E que guri campeiro não se exibiu no lombo de um petiço, sonhando o caudilho de amanhã?

O cavalo puxou carroças e pipas, diligências e charretes. E se foi tantas vezes arma de guerra e de revolução, foi também instrumento de paz e de amor, quando o gaúcho levava na garupa a mulher amada. Até hoje, muito embora algumas tentativas, o cavalo ainda não pode ser substituído por máquinas nas lidas de campo.

Estas o ajudam. Estas ajudam muito, mas ainda não podem fazer o que o cavalo faz, como por exemplo, um aparte no rodeio ou numa porteira de mangueira. Além disso, o cavalo é o ingrediente que maiores belezas e alegrias produzem dentro dos trabalhos de uma estância. Ë belo, é ágil, é inteligente, é dócil, é veloz, é vaidoso, é forte, enfim nos proporciona momentos de verdadeiro encantamento, principalmente quando, em seu lombo, praticamos as mais difíceis, porém mais emotivas e alegres lidas, como o tiro de laço e o aparte, que hoje os “Crioulistas”apelidaram de “Paleteada” .

Convença-se, pois, que você jamais poderá deixar de possuir alguns, porá apoder desempenhar a contento suas atividades.

Os Pêlos

Já que dedicamos um capítulo aos Cavalos, seria imperdoável não falarmos sobre os seus variadissimos pêlos. Dado a sua grande importância, dedico-lhe em capítulo especial.

O assunto é polêmico porque encerra muitas diferenças entre as várias regiões do Rio grande. Além disso, existe ainda, enorme discrepância entre as linguagens militar ou turfistas e a da gauchada campeira, que jamais chamou o cabalo zaino de castanho…

Por outro lado alguns animais possuem em seu corpo mais de uma pelagem, o que dificulta a identificação.

É oportuno lembrarmos, também, que até um ano e meio a dois anos de idade alguns eqüinos mudam a pelagem, só atingindo a definitiva a partir daí.

Como me propus, neste modesto trabalho, a transmitir aos leigos alguns ensinamentos, coerentemente permanecerei dentro desta linha, respeitando sempre o regionalismo crioulo.